Palestra "Os Fogos de Vegetação: Uma Perspetiva Física" | 2 junho | 14 h (hora de Lisboa)

 

Título: Os Fogos de Vegetação: Uma Perspetiva Física

Orador: Carlos da Câmara, Investigador do Instituto Dom Luiz e Professor Associado da faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Data e Hora: 2 de Junho 2 PM (Lisbon time)

Local: Zoom - https://videoconf-colibri.zoom.us/j/86361951620?pwd=ZG1aZlZpRXpVSFdFaXFyNHJqbk9YZz09

 

 

Resumo

O triângulo do fogo é o modelo base de todo o fogo ativo; os lados do triângulo que se identificam com o combustível, o comburente e a ignição, representam os três elementos necessários para que um fogo se não extinga.

O triângulo do fogo também fornece o racional, quer dos incêndios florestais, quer dos fogos rurais. Neste caso, o combustível é dado pelo tipo de coberto vegetal cujas propriedades como a quantidade de biomassa, a conectividade, a inflamabilidade e a inclinação do terreno determinam o tipo de combustão que pode vir a ter lugar. Por sua vez, o comburente é dado pelas condições meteorológicas, em particular pela velocidade do vento e pelas condições de instabilidade que determinam a disponibilidade de oxigénio que alimenta a combustão e ainda pela temperatura e humidade do ar e do solo que condicionam o estado dos combustíveis. Finalmente, as ignições estão associadas, na sua larga maioria, à presença humana cujas atividades, negligentes ou intencionais, originam focos de incêndio que podem alastrar e intensificar-se consoante o tipo de paisagem e o estado do tempo.

O regime de incêndios à escala global resulta, portanto, da interação complexa de fatores paisagísticos, meteorológicos e humanos pelo que qualquer estratégia de prevenção e de combate a incêndios tem de entrar em conta com todos estes fatores e atender às características próprias de cada um. O estado do tempo é previsível graças aos modelos de previsão meteorológica, cada vez mais sofisticados e com maior fiabilidade; por sua vez, a paisagem é gerível através de ações, como o ordenamento do território e o fogo controlado, que dificultem a intensificação e a propagação de um incêndio; finalmente, a população é educável, seja através da regulamentação de atividades ligadas ao uso do fogo, seja da promoção de ações de formação, in loco ou através dos media, destinadas a sensibilizar as populações, levando-as a adotar práticas mais responsáveis.


Publicado/editado: 27/05/2022

© 2019 União dos Físicos de Países de Língua Portuguesa - UFPLP